Bancos internacionais estão prevendo a retração do Produto Interno Bruto (PIB) entre 1,0% e 0,9%.

Os bancos JPMorgan e Goldman Sachs projetam a contração da economia brasileira neste ano, com o PIB afetado pelos efeitos globais do coronavírus.

Continua apos a publicidades

JPMorgan, o mais conservador, tem o prognóstico de declínio de 1,0% no PIB em 2020 (frente a expectativa anterior de crescimento de 1,6%). Com uma “profunda recessão” no primeiro semestre de 2020.

JPMorgan e Goldman Sachs projetam contração do PIB do Brasil em 2020

Continua apos a publicidades

O banco espera uma retração de 3,5% da economia no primeiro trimestre deste ano, comparado aos três meses anteriores (com ajuste sazonal), em função especialmente do golpe contra o PIB global e dos temores do Covid-19 no país.

Com coronavírus, bancos projetam recessão no 1º semestre e reduzem previsão para o PIB deste ano

No segundo trimestre o banco JPMorgan calcula uma queda de 10%, à medida que os efeitos de baixa da disseminação do coronavírus e as medidas para conter o surto, junto com o aperto nas condições financeiras e uma recessão globais, terão um “papel crucial”.

Continua apos a publicidades 4

“Julgamos que o segundo trimestre poderia ser ainda pior, mas as medidas fiscais anunciadas por autoridades devem suavizar os efeitos”, diz o relatório do banco.

O Goldman Sachs também atualizou sua projeção para a economia em 2020, de expansão de 1,5% para contração de 0,9%.

“A combinação de demanda externa por bens e serviços em declínio. Piora dos termos de troca. Aperto significativo das condições financeiras domésticas. E impacto econômico das medidas em rápida escalada para lidar com o surto de Covid-19 dentro das fronteiras nacionais, nos levaram a revisar ainda mais para baixo nossas perspectivas para as economias” (da América Latina), disse o Goldman. Também em relatório.

Nesta quarta-feira (18), o UBS baixou a 0,5% sua expectativa de crescimento para o PIB brasileiro neste ano, depois de uma taxa já revisada para baixo de 1,3% (contra 2,1% antes).