Publicidade - OTZAds

Rolando de Sauza é o novo diretor geral e muitos agora estão se perguntando será que esse novo diretor irá atender todos os desejos de Bolsonaro, assim como ele falou que queria no seu último pronunciamento? Fica a dúvida no ar.

Finalmente o nosso chefe de estado, o presidente Jair Messias Bolsonaro, fez o que todos nós estávamos aguardando, a nomeação mais aguardada das últimas semanas.

Nesta segunda-feira (4) o delegado Rolando Alexandre de Souza como novo diretor-geral da Polícia Federal. A nomeação foi publicada em edição extra do “Diário Oficial da União”.

 

Rolando de Souza para comando da Polícia Federal é nomeado por Bolsonaro

Afinal, quem é Rolando de Souza?

Foi o que todos estavam esperando neste mês, novo diretor da PF.  Rolando foi nomeado novo diretor da PF. Isso foi oficializada cinco dias depois de o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspender a decisão de Bolsonaro de nomear o diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), o também delegado Alexandre Ramagem, para comandar a PF.

Conforme publicação do O GLOBO, sabe-se que Souza já é delegado da Polícia Federal. Foi superintendente da PF em Alagoas entre 2018 e 2019. Em setembro de 2019, a convite de Alexandre Ramagem, assumiu o cargo de secretário de Planejamento e Gestão da Abin.

Na PF, Rolando também foi chefe do Serviço de Repressão a Desvio de Recursos Públicos e ocupou cargos de chefia na Divisão de Combate a Crimes Financeiros e na superintendência em Rondônia.

Crise no governo ainda permanece

Na semana passada, como nós falamos nesta matéria aqui, tivemos uma terrível crise após a demissão de Moro e outros conflitos envolvendo o governo.  E claro, a suspensão da nomeação de Ramagem para a Polícia Federal contrariou Bolsonaro, que na semana passada afirmou que a decisão do ministro Alexandre de Moraes era “política”.

O Amigo dos filhos do presidente e responsável pela segurança de Bolsonaro da campanha até a posse, Ramagem foi escolhido por Bolsonaro para substituir Mauricio Valeixo, nome de confiança do ex-ministro Sérgio Moro, porém, foi sem sucesso.

No entanto,  como vemos, Bolsonaro escolhe o braço direito de Ramagem para comandar a PF.

Mas será que esse decisão foi política ou técnica?

Só o tempo dirá, e aí? O que vocês pensam?

Fonte: G1 Notícias