Publicidade - OTZAds

O ano de 2020 começou desfavorável para o comércio exterior brasileiro. Ou seja  o volume de exportações brasileiras recuou 19,3% em fevereiro deste ano ante janeiro de 2019.

Já o volume de importações cresceu 2,0% no período. Os dados são do Indicador do Comércio Exterior (Icomex), divulgado nesta quinta-feira, 20, pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

A balança comercial de janeiro registrou um déficit de US$ 1,7 bilhão, após consecutivos superávits neste mesmo mês desde 2016.

Volume De Exportações Em Fevereiro Cai 19,3% Ante Mesmo Mês De 2019 22 de fevereiro de 2020

 

É prematuro fazer projeções com base no resultado de um único mês.

No entanto, novos acontecimentos em fevereiro sinalizam  uma redução no déficit da balança comercial para 2020, avaliou a FGV, em nota oficial.

Riscos nas Exportações

O Icomex lembra que o acordo entre a China e os Estados Unidos deve levar a perdas nas exportações de soja, mas há risco também para as exportações de carnes.

Outro risco para o desempenho do comércio exterior do Brasil é a epidemia do coronavírus na China, que diminuiu as projeções de crescimento da economia chinesa.

O coronavírus, junto com os efeitos do acordo entre China e Estados Unidos, aponta uma queda nos preços das commodities para os próximos meses, e de recuo do volume importado pela China.

Estimativas de perdas para as exportações brasileiras são incertas, pois ainda não se sabe quanto tempo irá demorar para que o controle da epidemia do coronavírus esteja garantido, ressaltou a FGV.

A equipe do Icomex prevê uma possível queda entre 10% e 15% nas exportações brasileiras para a China este ano. Ao mesmo tempo, a FGV considera pouco provável que a economia argentina possa contribuir para o aumento das exportações brasileiras em 2020.

Efeitos Negativos

O efeito argentino não é novo, mas o fato é que continuará a afetar as exportações de produtos manufaturados brasileiros.

A construção de um clima de entendimento entre os dois países, com a visita do Ministro de Relações Exteriores da Argentina ao Brasil.

Entretanto levando à possibilidade de suspensão de medidas de licenças para importações, é um passo importante”, ressaltou a nota da FGV.

No mês de janeiro de 2020, o comércio do Brasil com a China registrou um déficit de US$ 1.566 milhões, puxado por uma queda de 8,8% em valor das exportações, explicada por um recuo de 2,5% no volume e de 6,4% nos preços.

No caso das importações,  entretanto a variação em volume foi positiva (3,4%), mas os preços caíram 3,8%.

A troca comercial com os Estados Unidos também foi deficitária, em US$ 847 milhões, com queda de 28,8% em valor das exportações, devido a um recuo de 23,2% em volume e de 7,3% nos preços.

Nas importações, foi registrada uma variação positiva em valor (+8,7%), com avanços em volume (+8,4%) e preços (+0,4%).

O comércio com a Argentina teve um pequeno superávit no valor de US$ 17,8 milhões em janeiro. As exportações caíram 0,9% em valor, com quedas de 0,2% em volume e de 0,7% nos preços.

As importações recuaram 17% em valor, com reduções tanto no volume (-13,6%) quanto nos preços (-3,7%).