No acumulado de 2020, a desvalorização do real chega a 6,22% em relação ao dólar, entre 2 de janeiro e 14 de fevereiro, e se torna a que mais perdeu valor em relação a moeda norte-americana.

No levantamento que concluiu a desvalorização do real, feito pela Tendências Consultoria com base nos dados da Bloomberg, foram consideradas 31 divisas, dentre os principais países do mundo.

Logo depois do Brasil, seguem o rand sul-africano, com -6,11%; a coroa norueguesa, com -5,06%); peso chileno com -5%; florim húngaro, com -4,6%; e o dólar neozelandês com -4,5%.

a desvalorização do real em relação ao dólar

No outro extremo, o peso mexicano, com +1,95% e a rúpia indonésia, com +1,26%, registram valorização na comparação com a moeda estadunidense.

Dúvidas sobre reformas e crescimento

Silvio Campos Neto, economista da Tendências Consultoria, diz que “O coronavírus tem tido um peso importante na desvalorização de grande parte das moedas emergentes. Mas o real tem sofrido mais, o que sugere que fatores internos têm contribuído para isso”.

Ou seja, além da elevação do risco externo, por causa da disseminação do vírus, dúvidas dentro do país contribuem para um aumento – ainda mais intenso – do dólar por aqui, afirma Campos Neto.

“De um lado, há uma incerteza sobre a continuidade da agenda de reformas em decorrência de ruídos políticos. De outro, também há dúvidas sobre o ritmo de retomada da economia, após as divulgações que ocorreram nas últimas semanas, com destaque para o desempenho da produção industrial no final de 2019”, diz o economista da Tendências Consultoria.