O Brasil tem a quarta gasolina mais cara da América do Sul, segundo estudo divulgado nesta quinta-feira (27), pela Cuponation, plataforma de descontos online. O preço da gasolina brasileira (R$ 4,45/litro) só não é mais cara que do Uruguai (R$ 6,27/l), do Peru (R$ 4,89/l) e do Chile (R$ 4,47/l).

Continua apos a publicidades

O resultado é baseado em informações do Numbeo, banco de dados global de preços que realizou uma pesquisa no começo de 2020 com 100 países.

Brasil Tem Quarta Gasolina Mais Cara Da América Do Sul, Mostra Ranking 28 de fevereiro de 2020

No mundo, o Brasil ocupa o 60º lugar no ranking da Cuponation. Na avaliação global, o preço mais caro da gasolina foi registrado em Hong Kong (R$ 9,69/l), seguido da Palestina (R$ 8,32/l) e Israel (R$ 8,05/l).

Continua apos a publicidades

Na outra ponta

Por outro lado, sem nenhuma surpresa, a Arábia Saudita é o país que cobra mais barato pela gasolina (R$ 1,78/l), o mesmo cobrado no Cazaquistão. Em terceiro lugar ficou o Egito, com R$ 2,13/l. A Venezuela não entrou na pesquisa.

A petroleira mantém os preços nas refinarias no Brasil gasolina, com o intuito de tentar compensar as perdas que obteve ao longo de 2014, quando manteve os preços abaixo dos internacionais, para evitar repasse à inflação

Continua apos a publicidades

“Apesar do nosso País não possuir a gasolina mais cara do mundo, um ponto importante a ressaltar é que a população brasileira está deixando cada vez mais de usar o próprio carro – não somente pelo valor do combustível, mas também pelo estresse e tempo perdido no trânsito”, avaliou o Cuponation. (Informações ND Mais)

Petrobras fixa os preços dos combustíveis de acordo com critério próprio e também do governo, que é controlador da empresa. O argumento é que, assim, a empresa evita transmitir volatilidade ao consumidor – o preço não sobe e desce o tempo todo.

A alta do preço do combustível não é um problema para a população norueguesa, cuja renda média é a segunda maior do mundo. Mesmo com o combustível caro, o impacto sobre a renda da população é bem abaixo da média, com os custos da gasolina impactando apenas 0,92% dos ganhos diários norueguês.