Segundo Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), a instituição considera como mais preocupantes os surtos do novo coronavírus na Coreia do Sul, Japão, Itália, e Irã.

Publicidade - OTZAds

Durante entrevista coletiva em Genebra, Suíça, na última segunda-feira (2), o chefe da OMS manifestou preocupação, mas persistiu que os surtos poderão ser contidos.

Tedros informou que o Irã, país que após a China, tem registrado o maior número de mortes devido ao coronavírus. Recebeu uma equipe da OMS para entregar suprimentos médicos e dar apoio às autoridades locais para combater o surto.

O diretor-geral também falou sobre cerca de oito países que estão a duas semanas sem novos registros do caso. Acrescentando que esses países têm sido capazes de conter os surtos. Tedros afirmou que na China, o número de novos casos de infecção está diminuindo. Para ele, esse fato é indício que é possível conter a propagação, mesmo em áreas onde há grande número de casos do vírus. “A queda tem sido constante”, disse ele.

Nas últimas 24 horas, foram registrado 129 casos novos de infecção no país. Foi o menor número desde 20 de Janeiro.

O médico destacou também que o coronavírus não pode ser tratado como se fosse um gripe comum, pois não se transmite com a mesma eficaz. E que a doença possui consequências severas. “Globalmente, 3,4% das pessoas com coronavírus morreram. Para efeito de comparação, a gripe sazonal geralmente mata menos de 1% dos infectados”, explicou adicionando que apenas 1% dos casos não apresentam um sintoma.

Coronavírus x Gripe

Outra diferença entre a gripe é que, o coronavírus ainda não possui vacinas e remédios que foram comprovados contra o vírus. “Contudo, testes clínico de remédio estão sendo realizados e mais de 20 vacinas estão sendo desenvolvidas.” relatou.

Pesquisadores recomendam que para o risco de infecção ser menor, é importante as pessoas escolherem por atividades realizadas ao ar livre ou que envolvam o mínimo possível de contato com outros indivíduos. E sugerem ainda manter uma distância no comprimento de um braço ao conversar com outras pessoas.

Para mais notícias.